in

Obesidade Infantil: causas, tratamento e prevenção

obesidade infantil nova odessa fatos e eventos

Obesidade Infantil: causas, tratamento e prevenção

Minuto Saudável

O que é a obesidade infantil?
A obesidade infantil é caracterizada quando o peso corporal está acima de 15% do peso médio correspondente para a idade. A condição está relacionada a hábitos alimentares, atividades físicas, fatores biológicos e pode levar a criança a problemas sociais, emocionais e graves de saúde.

Diversos fatores podem desenvolver a obesidade infantil, como hábitos alimentares, genética, sedentarismo, distúrbios psicológicos, entre outros. Em crianças, a condição se desenvolve mais facilmente, por conta do organismo que ainda está em formação.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) a obesidade é um dos problemas de saúde pública mais graves do século XXI, com alta incidência, principalmente em países em desenvolvimento. Pois pode causar problemas maiores como diabetes, problemas cardíacos, má formação do esqueleto e até menor expectativa de vida.

De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde, cerca de 15% das crianças e 8% dos adolescentes sofrem com a obesidade, e 8 em cada 10 adolescentes continuam obesos na fase adulta. Entre 1975 e 1997, a prevalência de obesidade infantil no Brasil aumentou em 12 pontos percentuais, passando de 3 para 15% da população. Em 2010, haviam 42 milhões de crianças com sobrepeso em todo o mundo.

Causas da obesidade infantil
A obesidade se desenvolve mais comumente por fatores nutricionais e/ou ambientais, mas também pode ser causada por outros fatores, como:

Psicológicos: crianças com problemas emocionais, como ansiedade, podem comer compulsivamente, causando a obesidade;

Medicamentosos: alguns medicamentos, como os a base de corticoides, podem causar este problema;

Hormônios: doenças endócrinas podem se manifestar a partir do ganho de peso, esses casos correspondem a cerca de 10% do índice de obesidade infantil.

Fatores nutricionais
A dieta comum dos brasileiros envolve arroz, feijão, carne, salada, legumes e frutas, que são consideradas opções saudáveis. Porém, essa dieta está mudando e aumentando seu teor calórico, uma vez que, pela praticidade e baixo custo, muitos pais estão optando por alimentos industrializados.

Esses alimentos possuem baixo valor nutricional e são produzidos levando em consideração mecanismos neurobiológicos que, de acordo com alguns estudos, são responsáveis tanto pela dependência química quanto alimentar. Assim, acredita-se que tais alimentas são capazes de causar compulsão.

Um estudo publicado na revista Nature Neuroscience exemplifica o fato com um experimento, onde foram oferecidos alimentos industrializados, cocaína e heroína a ratos cobaias. Quando consumidos, tanto as drogas quanto os alimentos industrializados danificaram os centros de prazer do cérebro, assim os ratos passaram a consumir tais produtos compulsivamente.

O que modifica quando consumimos esses alimentos em excesso é uma super estimulação do receptor de dopamina, um neurotransmissor relacionado ao prazer.

Ao longo de três anos, os ratos comeram cada vez mais e se tornaram obesos, após certo tempo, eles somente buscavam alimentos industrializados e calóricos.

Fatores ambientais
Com o avanço das tecnologias, as crianças brincam e praticam atividades físicas cada vez menos, e preferem preencher seu tempo assistindo televisão, jogando videogames e usando o computador.

A falta de movimentação causa o sedentarismo, o que consequentemente aumenta o peso das crianças, pois quando não se movimentam, não perdem calorias. Estudos apontam que cerca de 10% dos pequenos que passam mais de 1 hora, por dia, na frente da TV, videogame e computador, são obesos.

As atividades físicas devem ser sempre estimuladas pelos pais, pois permitem que a criança se insira em um grupo e se torne sociável, reduzindo as chances de se sentir sozinha ou diferente de outras crianças.

Outro fator ambiental que pode causar a obesidade infantil é a falta de sono. Um estudo feito na Universidade de Harvard aponta que crianças e adultos que têm sono irregular, têm maior risco a obesidade. Portanto, crianças que dormem pouco podem sofrer com o aumento de peso, mesmo que outros fatores de risco sejam controlados.

Grupos de risco
A obesidade infantil pode atingir qualquer criança, isso porque sua principal causa está relacionada aos hábitos alimentares e ao sedentarismo. Porém existem alguns fatores que podem fazer com que a criança esteja mais propensa a desenvolver essa condição.

Filhos de pais obesos: Crianças com pais obesos têm maior propensão a desenvolver a condição, porém não é um fator definitivo. Filhos com pais não obesos podem desenvolver o problema, assim como filhos de pais obesos podem não desenvolvê-lo.

Famílias com recursos limitados: Outro grupo de risco é baseado em fatores socioeconômicos, pois indivíduos que vivem em comunidades com recursos limitados podem optar por alimentos industrializados e não saudáveis, o que pode causar vício e aumentar o peso da criança, sem nutri-lá.

Moradores de comunidades perigosas: Dentro do fator socioeconômico, também destacam-se indivíduos que moram em locais perigosos, o que não permite que as crianças saiam de casa para se exercitar.